Raridade: Time Table dos vôos do Bandeirante na Transbrasil e na Vasp...

Pois é pessoal... agora podemos ver a frequência de vôos dos Bandecos na Transbrasil (Dezembro de 1974) e na Vasp (Janeiro de 1975), que foram os primeiros operadores comerciais desta aeronave. O interessante é como os Bandeirantes faziam as conexões com os vôos das aeronaves de maior porte.
Os respectivos arquivos em formato PDF estão disponíveis em nossa biblioteca para download.

Novos Manuais de Vôo do Bandeirante!

Terminamos a digitalização de mais 2 manuais originais da aeronave Bandeirante: O "Manual de Vôo do C-95 / Emb-110", completo (em português) com 255 páginas, e o "Pilot´s Operating Handbook do Emb-110P", parcial (em inglês) com 228 páginas.
Ambos repletos de ilustrações e esquemas.
Disponível para download na coluna da Biblioteca do Bandeirante.
Façam bom proveito!  ; )

Todos os 110 esquemas de pintura do Bandeirante (C-95) na FAB.

Disponibilizamos todas os 110 esquemas de pinturas da aeronave Bandeirante (C-95) na Força Aérea Brasileira. Confesso que até eu fiquei surpreso com a quantidade de pinturas que o Bandeirante recebeu na FAB... Este é um bom material para os repintores de modelos para simuladores. O arquivo em formato PDF encontra-se na Biblioteca do Bandeirante.

Coletânea de anúncios de operadores da década de 70 e 80 - Parte 2

Graças a colaboração do amigo José Cursio, estamos disponibilizando a 2ª parte desta coletânea. Na medida que for chegando o material, incluiremos novas versões na Bibliblioteca do Bandeirante.
Desfrutem destas lembranças de época!   ; )

Entrevista: Cruiser Linhas Aéreas

Estamos iniciando uma série de entrevistas com os atuais operadores de aeronaves Emb-110 Bandeirante.
A primeira entrevistada foi a Cruiser Linhas Aéreas, que opera no centro-oeste brasileiro.

A Cruiser, como praticamente todas as operadoras regionais do Brasil, já atravessou momentos muito difíceis ao longo de sua existência e hoje mantém uma malha reduzida, porém muito importante na integração do Estado do Mato Grosso. Já chegou a operar aeronaves Let, porém hoje somente utiliza aeronaves Bandeirante.
Histórico:
Em 1996, no estado do Paraná, nasceu a Cruiser Táxi Aéreo, fruto de 14 anos de experiência e dedicação do Comandante Vinícius de Lara Cichon. A empresa cresceu e baseada em análises e anseios do mercado, enxergou um grande potencial na aviação regional. Com espírito visionário e empreendedor, o comandante atingiu novos segmentos e um público diferenciado dos usuários de táxi aéreo.
Para diversificar seus negócios na aviação, a empresa passou a operar também com linhas aéreas regionais e em 2001 passou a ser chamada de Cruiser Linhas Aéreas.
O primeiro vôo regular aconteceu em 4 de junho de 2001 com destino a Pato Branco. Depois, a empresa começou a atuar em outras cidades do Paraná e Santa Catarina.
Em 4 de agosto de 2002 iniciaram-se os vôos para o Mato Grosso, visando promover a integração do estado por meio do transporte aéreo.
Em novembro de 2004, com o recebimento da homologação definitiva de linha aérea regular, a Cruiser Linhas Aéreas tornou-se uma das 26 empresas regulares brasileiras a ter a concessão do governo para explorar este serviço.

Entrevista:

PROJETO BANDEIRANTE: Qual o teu nome, idade e função na Cruiser ? Há quanto tempo atua na empresa e qual é o teu histórico com aeronaves Bandeirante?
Albino dos Reis, 70 anos, Chefe de Operações. Trabalho na Cruiser há 5 anos. Tenho aprox. 6.000 horas no Bandeirantes. Fiz o treinamento inicial na EMBRAER em 1976. Voei na TABA umas 5.000 horas e hoje na Cruiser mais umas 1.000 horas (no Bandeirante).
Tenho um total de aprox. 33.000 horas de voo com aeronaves Jato, Turbo-Hélice e Convencional.

PROJETO BANDEIRANTE: Como operador de aeronave Bandeirante, quais seriam, sob o teu ponto de vista, as vantagens e desvantagens de se trabalhar com esta aeronave?
VANTAGENS: É um avião bem versátil. Aceita muitas condições desfavoráveis (pistas curtas, pistas de terra, etc). Possui duas ótimas turbinas PT-6 (Prat Whitney) capazes de segurar uma emergência na decolagem sem muito problema.
DESVANTAGEM: Como qualquer outro avião é usado para o transporte de passageiros e carga; todavia se o trecho a ser voado for longo, como é o caso da Amazônia, ele fica restrito no aproveitamento, pois as distâncias na Amazônia são grandes e aumenta a necessidade de se carregar combustível. Por exemplo: num voo de 03:00 horas e com uma alternativa distante 01:00 hora o aproveitamento comercial será bem baixo - em torno de 9 passageiros; portanto já se perde 6 passageiros no avião básico.

PROJETO BANDEIRANTE: Dizem que, devido a idade, esta aeronave já possui problemas com reposição de peças. Isto é verdade? Qual é a realidade sobre a manutenção de uma aeronave Bandeirante?
Não creio que se tenha muitos problemas com relação à aquisição de material para o Bandeirantes aqui no Brasil, pois existem muitas empresas que se dispuseram a manter fornecimento de peças de reposição.
O nosso Bandeirantes aqui na Cruiser foi fabricado em 1974 - PT-WBR - e nós voamos com ele sem susto. As panes que aparecem são panes corriqueiras que são sanadas de imediato com um custo muito baixo.

PROJETO BANDEIRANTE: O custo operacional de uma aeronave Bandeirante é alto?
É baixo. Consumo horário: 335 litros. Os demais fatores são os mesmos de qualquer outra aeronave.

PROJETO BANDEIRANTE: Dizem que os operadores desta aeronave são “apaixonados” por ela... isto é mito ou tem um pouco de verdade? Na tua opinião qual é o ponto forte do Bandeirante no serviço prestado por ele aos seus operadores?
Hoje, são poucos os operadores que possuem Bandeirantes em condições de vôo no Brasil. Creio até que a "paixão" está ligada à produtividade, pois nos Garimpos da Amazônia o Bandeirantes fez o maior sucesso, com um "pay-load" altíssimo, é claro, operando totalmente fora dos padrões tanto no que diz respeito ao peso máximo de decolagem e pouso como às pistas onde operavam.

PROJETO BANDEIRANTE: A aceitação é boa por parte dos passageiros?
É boa sim. Depende um pouco da tripulação em transmitir confiança ao passageiro, pois os passageiros pariticipam um pouco da operação, uma vez que assistem tudo desde a decolagem até o pouso, pois o Bandeirantes (a maioria) não tem porta que separa os passageiros da tripulação. Na Cruiser os passageiros sentem a segurança que é transmitida pelo avião e tripulantes.

PROJETO BANDEIRANTE: Você saberia nos relatar um o mais fatos curiosos que você tenha ouvido ou presenciado, relacionado ao Bandeirante?
Na TABA, onde voei por 25 anos, um Bandeirantes colidiu em voo com um monomotor aqui no Mato Grosso. O monomotor caiu e morreram os passageiros e o Bandeirantes da TABA chegou ao destino sem problemas.
Na VOTEC dois Bandeirantes da mesma cia. colidiram numa aproximação em Imperatriz-MA. Um caiu e morreram todos. O outro pousou no Rio Tocantins e se salvaram todos ou quase todos - não me lembro. Se for contar tudo o espaço torna-se pequeno.

PROJETO BANDEIRANTE: Quais são os planos futuros para da Cruiser? Haverá expansão das rotas ou aquisição de mais aeronaves?
Os planos da Cruiser para o futuro são:
a) - continuar com o Bandeirantes nas pistas onde só êle opera.
b) - adquirir aeronaves maiores (Brasilia talvez) para expandir a operação no Brasil.

Malha atual da Cruiser (em breve estará operanto também em Sinop e Lucas do Rio Verde):
Clique na imagem para ampliar.


Assista e baixe o novo vídeo "Voando com a Cruiser" que disponibilizamos em nossa Videoteca.

Novidades na Biblioteca: Data Sheets e aeronaves Bandeirante para X-Plane.

Incluímos 2 Data-Sheets da FAA, sendo um do Bandeirante e outro específico das turbinas P&W, e um Check Flight completo da CAA para o Bandeirante. Todos em inglês.
Outra novidade são os modelos de aeronaves Bandeirante disponíveis para os usuários do simulador X-Plane versões 8.64 e 9.21 (no Windows e também em MAC OSX). O modelo é freeware e foi desenvolvido por Barry Roberts.



Videoteca do Bandeirante...


Mais uma novidade para nossos leitores: A Videoteca do Bandeirante!
Para completar e enriquecer nossa base de dados, estamos disponibilizando diversos vídeos para os admiradores desta aeronave.
Este é o fruto de um trabalho de pesquisa, centralização e otimização dos arquivos de vídeo, que são padronizados no formato WMV (Windows Mídia Vídeo) em 360x288 (resolução um pouco acima de uma imagem de VHS). Todos os vídeos que utilizamos nos artigos do blog estão disponíveis e muitos outros ainda serão acrescentados. Para isso, procuramos fazer uma seleção criteriosa e bastante variada.
Também disponibilizamos para download o programa Format Factory versão 2.15, totalmente FREE, que permite a conversão de vídeos para quase todos os tipos de formatos (DVD´s, MP4, Celulares, etc.), assim, se o leitor desejar, poderá converter facilmente nossos vídeos no formato que desejar.
Espero que gostem!  :)

Curiosidade: Os Bandeirantes que nunca saíram do papel...

Dizem que um projeto de sucesso, leva até aproximadamente 10 variações do modelo original... o projeto da aeronave Bandeirante superou em muito estas expectativas.
Dentre as muitas variações que já mostramos neste blog, existiram mais algumas que "não saíram do papel", ou seja, foram esboçadas (em maquetes também), porém jamais produzidas. Estes foram os casos do Bandeirante Pressurizado e do Bandeirante à jato.
No primeiro caso, além de uma pressurização de 2,5 psi, ideal para uma altitude de vôo entre 15 e 20 mil pés, com um desempenho em vôo de cuzeiro na ordem de 490 km/h (265 nós), possuia capacidade para até 19 passageiros a bordo e uma alteração na cauda em "T". O motor projetado seria o PT6A-65, com potência de 1.173 shp, a 1.700 RPM. Este projeto acabou gerando mais tarde o Emb-120 Brasília.

Clique nas imagens para ampliar.
 

No segundo caso, o Bandeirante teria seus motores turbo-hélices substítuídos por duas pequenas turbinas tipo "fan", cauda também em "T" e, no local antes ocupado pelos motores, seriam instalados "pods" aerodinâmicos para comportar o trem de pouso e alguns aviônicos. Também possuiría um índice médio de pressurização interna.

História: De onde veio o projeto de design do Bandeirante?


Nestes últimos dias li muitos comentários de pessoas que não sabiam que havia um "dedo francês" no projeto original do Bandeirante... pois é. A história é esta:

Em março de 1965, é apresentado a Ozires Silva (na ocasião chefe do departamento de aeronaves do PAR), por intermédio de José Carlos de Barros Neiva, o experiente projetista francês Max Holste.
"Neiva e Max Holste, acompanhados pelo Kovacz, chegaram em minha casa, no CTA. Era tarde da noite, cerca de 22 horas. Max era um homem baixo, atarracado, de pele avermelhada, com bastos cabelos começando a esbranquiçar. Parecia, desde o primeiro contato, um homem determinado e, embora transmitisse competência, não parecia ser simpático. Sem nenhuma conotação negativa, era tipicamente francês, pouco se importando com a impressão que daria ao seu interlocutor. Enfim, sabia o que queria e vendia-se pelo preço que tinha fixado a si próprio.
Iniciando a conversa, contara-me que o Max tinha deixado a França, dois anos antes, devido as complicações financeiras geradas pela transferência de sua empresa Avions Max Holste para o governo francês. Seu destino teria sido o Marrocos e depois de dois anos de frustradas tentativas de implantar uma indústria aeronáutica local, voltou suas atenções para a América do Sul, em especial, o Brasil.
Max Holste tinha boa reputação profissional. Era conhecido como homem de difícil caráter. Contudo, mesmo sendo um homem duro, foi capaz de inspirar confiança."

A princípio Max desejava implantar um de seus projetos já prontos, porém Ozires o convenceu de atender a uma demanda nacional e as expectativas de um projeto de bimotor.
"Max foi muito sincero e disse: "Aceito o desafio, mas reservo-me o direito de analisar a especificação básica do avião a ser projetado, de modo que ele esteja dentro daquilo que eu julgue ser capaz. De modo nenhum procurarei saltar acima do que sei ser minha competência e meus limites." Acrescentou com ênfase: "Não irei além disso"." 
Mais tarde isso ficou evidente, quando a equipe do CTA resolveu, após os 3 protótipos, modificar radicalmente o projeto, transformando-o no atual Bandeirante que conhecemos. Neste momento, Max encerrou sua participação e voltou para França.
(Texto parcialmente extraído e adaptado do livro "A decolagem de um sonho", de Ozires Silva.)

Abaixo podemos ver uma imagem do Nord 260 Super Broussard, avião francês projetado por Max e que, literalmente inspirou o projeto do Bandeirante. Notem que o Bandeirante seria uma espécie de "Nord de asa baixa"...


Nesta outra foto vemos Max com Ozires em São José dos Campos.

Video 04: A realidade do Emb-110 Bandeirante nos garimpos da Amazônia.

Assista a este incrível vídeo que mostra a realidade na operação das aeronaves Bandeirante em vôos realizados nos garimpos da Amazônia, com 2.000 litros de óleo diesel a bordo, decolando de uma pista de 700 metros de comprimento, parando um dos motores e pousando num dos garimpos com a pista medindo apenas 600 metros de comprimento! Este vídeo foi produzido pelo programa "Voe Comigo", do Cmte. Artur e exibido em sua 10ª edição (http://www.voecomigo.com.br/).
Este é o bandeco!

Protótipo do Bandeirante IPD-6504 para o Flight Simulator.

Estamos disponibilizando na Biblioteca do Bandeirante mais uma aeronave para ser utilizada no Flight Simulator (versões 2002 e 2004).
Trata-se do 1º protótipo do Bandeirante (o IPD-6504 do CTA), cujo projeto deu orígem as aeronaves Bandeirante que operam hoje. Foram construídos 3 protótipos (designados mais tarde como Emb-100 pela Embraer) e hoje eles estão em exposição. Este protótipo deu seu primeiro vôo em 22 de outubro de 1968.
O modelo está completo (com painel e som) e foi texturizado por mim sobre o model original de J.R.Lucariny. Acrescentei também um painel mais adequado. Aproveitem e refaçam o vôo histórico do primeiro Bandeirante!  :)

História: Uma travessia inédita realizada pelo Bandeirante...

Em julho de 1978, foi entregue em São José dos Campos, o EMB-110P2 PT-GLH adquirido pela Masling Commuter Service, que realizou uma trevessia inédita para um bimotor de sua classe. O PT-GLH voou diretamente de São José dos Campos para Santiago e da capital chilena seguiu para o aeroporto de La Serena. Deste local o Bandeirante seguiu sobre o Pacífico para a Ilha de Páscoa, vencendo uma etapa de 12 horas e 30 minutos (3.740 km). Da Ilha de Páscoa, com escalas em Hao, Papeetee, Pago Pago e Nandi, o EMB-110P2 da Air Masling chegou até Sidney, na Austrália, voando 45 horas sob o comando de pilotos australianos.
Clique no mapa para ampliar.


Aeronaves Bandeirante para serem utilizadas no Flight Simulator.

Com o apoio e autorização dos respectivos autores, estamos disponibilizando arquivos FREEWARE da aeronave Bandeirante para serem utilizados em diversas versões do Microsoft Flight Simulator. Todos os kits são completos com painel, som, checklist, manuais, etc.
O primeiro kit inclui 09 aeronaves diferentes da FAB para a versão FS98.
O segundo kit inclui 09 aeronaves diferentes da FAB (Projeto Rumba) para a versão FS2004.
O terceiro kit inclui 04 aeronaves diferentes (J.E.Narcizo), sendo 01 PT-EDO Emb-110 (que ilustra nosso blog), 01 FAB Emb-110P, 01 FAB Emb-111 Bandeirulha e 01 ComAir Emb-110P  para a  versão FS2002 e FS2004.
OBS: Estes modelos não foram testados no Flight Simulator X.
Incluímos também alguns Paint Kits para os repintores e 03 arquivos AFX para a versão FS98.
Façam bom proveito, pois em breve estaremos incluindo mais algumas novidades. Os downloads podem ser feitos na Biblioteca do Bandeirante, na parte inferior da coluna ao lado.
Clique na imagem para visualizar os modelos.

Esquemas do Bandeirante para desenvolvedores e projetistas.

Disponibilizamos em nossa biblioteca diversos arquivos de esquemas gráficos do Bandeirante em suas várias versões.
Ideal para desenvolvedores de add-ons, pintores e projetistas.
Fez algum projeto da aeronave Bandeirante? Divulgue aqui. Será um prazer promover o teu trabalho!

Curiosidade histórica: Coletânea de anúncios de operadores da década de 70 e 80.

O arquivo está disponível para download em nossa biblioteca.

Inauguramos a "Biblioteca do Bandeirante".


Seguindo nossa visão de transformar este blog em uma extensa e pública base de dados sobre a aeronave Embraer Emb-110 Bandeirante, estamos disponibilizando na barra lateral direita, a "Biblioteca do Bandeirante", onde poderão ser feitos downloads de artigos, reportagens, material gráfico, manuais, modelos virtuais, etc, para fins de pesquisas e desenvolvimento de add-ons para simuladores.
Esperamos que o material seja de grande utilidade e lembramos que, todo este esforço, é tão somente para o deleite dos entusiastas desta bela aeronave (o material técnico não deve ser utilizado para vôos reais, pois está bastante desatualizado). Dentre nossas fontes, destacamos nossos parceiros e amigos pilotos reais e virtuais e a própria Embraer, a quem demonstramos nossos sinceros agradecimentos.

Se você desejar contribuir com algum material, reportagem, história ou curiosidade que julgue útil para o acervo de nossa biblioteca ou de interesse do blog, entre em contato conosco pelo e-mail  projetobandeirante@bhz.me ou pelo endereço que está na barra lateral.
Será um grande prazer publicar teu material.

Curiosidades: Cartões de informações de segurança das aeronaves Bandeirante (Air Safety).

Coletamos alguns exemplares de cartões de diversos operadores.
Clique nas imagens para ampliar.













Relato de um jovem co-piloto de Bandeirante da extinta Rio Sul...

Voando na Rio Sul

"O primeiro semestre de 1985 foi marcado pelo meu primeiro emprego na aviação. Foram seis meses voando de co-piloto no Embraer-Bandeirante pelo interior do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Morei em Porto Alegre dividindo um quarto com meu colega Sérgio Alberton em uma pensão, tinha um Fusquinha e ganhava um salário aonde já era possível economizar um dinheirinho. Após um mês voando com um comandante instrutor, estava liberado para voar com os demais comandantes, me habituando à rotina da aviação comercial. Cada voo era um aprendizado, onde eu ia conhecendo mais localidades, novos comandantes e passando por diversas situações.

O Bandeirante era um belo avião para 16 passageiros, e tinha, ou melhor, não tinha uma característica que os copilotos adoravam: O avião não era equipado com piloto automático, por isso, o voo era todo realizado "na mão". Havia um comandante que na volta de Uruguaiana para Porto Alegre, após o horário do almoço, dava um cochilo (Comandante quando cochila, fica com um olho aberto e o outro fechado!) fazendo a alegria dos copilotos. Naquela "aviação" tínhamos atribuições que em aviões e empresas maiores são realizadas por um departamento específico. Uma destas atribuições era a confecção do plano de voo para cada etapa a ser voada. O plano de voo é um formulário contendo os dados do avião e a rota a ser voada, com o nível de voo proposto, velocidade e outras informações que devem ser entregues à autoridade aeronáutica antes da decolagem, para a devida aprovação. Também era responsabilidade do copiloto efetuar os cálculos de peso e balanceamento, somando o peso do avião vazio, mais os passageiros, bagagens e carga, além do peso do combustível. Com estes dados preenche-se uma ficha e consulta-se tabelas para fazer o cálculo de performance, determinando assim o ajuste de velocidades para a decolagem. Como copiloto, eu era o último a embarcar, pois alguém tinha que fechar a porta do avião, e não havendo comissário de bordo, era eu quem distribuía a caixinha de lanche aos passageiros. Só havia um voo com pernoite, e era em Florianópolis, os demais eram programações bate-volta sempre saindo e chegando de Porto Alegre. Carregava uma pasta que continha os apetrechos para o voo tais como calculadora, caneta, mapas, régua, "computador de voo" e um kit para pernoite não programado, constando de camisa, meias e cueca extra. Efetuávamos escalas em Bagé, Passo Fundo, Criciúma, Lages e tantas outras pistas, que muitas vezes eram de terra batida.

O serviço de bordo era um lanchinho frio que muitas vezes conseguíamos aquecer durante as paradas. Não havendo sistema de pressurização no Bandeirante, voávamos baixo apreciando a paisagem. Ainda hoje, muitos dos comandantes com quem voei naquela época continuam sendo colegas que encontro em aeroportos e pernoites, quando então relembramos os bons tempos de Rio Sul. Este período foi muito bom para adquirir experiência, não só em relação à pilotagem, mas também em relação ao trabalho em equipe em uma empresa de aviação, me preparando para a etapa seguinte. Em junho de 85, encerrei minha passagem pela Rio Sul. Um sentimento de alegria por iniciar uma nova fase, agora na Varig, e uma tristeza por deixar Porto Alegre, cidade em que havia passado os últimos 2 anos, entre idas e vindas. Coloquei minhas coisas no fusquinha e peguei a estrada de volta para São Paulo, virando assim, mais uma página na minha carreira."
Por: Cmte. Roberto Carvalho
Fonte:  http://betocarva.blogspot.com/

Reportagem histórica de 1977: "Com apenas 4 anos em vôos comerciais, o Bandeirante ultrapassa 200 mil horas de vôo."

Confira na reportagem de época do Embraer Notícias, nº 43 de 1977, quando a empresa completava seu 8º aniversário.
Clique na imagem para ampliar. Se necessário, utilize também o zoom do teu navegador ou visualizador de imagens.


Base Aérea de Fortaleza inaugura monumento dedicado ao Bandeirante.

No dia 21 de setembro, a Base Aérea de Fortaleza (BAFZ) inaugurou um monumento ao EMB -110 (FAB C-95) Bandeirante.


Exibindo-o em local de destaque para memória de todos aqueles que por aqui passarem, como parte integrante das comemorações alusivas ao 73º Aniversário da BAFZ. Esta aeronave deu origem à Empresa Brasileira de Aeronáutica (EMBRAER), a qual tornou-se referência no mercado de aviação mundial nos dias de hoje.
Estiveram presentes ao descerramento da placa comemorativa o Major-Brigadeiro-do-Ar Louis Jackson Josuá Costa, Comandante do II COMAR, o Major-Brigadeiro-Engenheiro R1 Francisco Moacir Farias Mesquita, o Coronel-Aviador Getúlio Oliveira, Ex-Comandante da BAFZ e um dos primeiros pilotos que tiveram o privilégio de voar essa guerreira aeronave, além do Tenente-Coronel-Aviador José Madureira Junior, Comandante do Primeiro do Quinto Grupo de Aviação (1º/5º GAV).
Na oportunidade, o Coronel-Aviador Manoel Araujo da Silva Junior, Comandante da BAFZ, expressou a sua satisfação pela realização desse importante fato histórico, sentindo-se privilegiado em inaugurá-lo em sua gestão. Destacou, ainda, momentos especiais da operação dessa aeronave na Força Aérea Brasileira.

Fonte: http://www.antonioviana.com.br/2009/site/ver_noticia.php?id=59953

Revista Aero Magazine publica artigo histórico sobre o Bandeirante.

A edição nº 185, neste mês (10/2009), contém um artigo histórico de 6 páginas sobre os 40 anos do Bandeirante. Vale conferir!  http://www.aeromagazine.com.br/

Relação atualizada de todos os acidentes envolvendo o Emb-110 Bandeirante.

Vale fazer uma correção: Apesar de muitas fontes indicarem a produção de 503 aeronaves Bandeirante, inclusive com a foto da contrução da 500ª aeronave aqui no blog, informamos que esta última unidade não foi concluída. Foram 3 protótipos + 499 aeronaves de linha.
Segue abaixo o link da relação com a data, prefixo, operador, local, país e nº de vítimas fatais.

http://www.baaa-acro.com/Types%20d'avions/Embraer%20EMB-110%20Bandeirante.htm

Até o presente momento, constava 93 acidentes com 572 mortes em 41 anos.
Analizando os fatos, a maioria das causas dos acidentes tiveram sua orígem na falta de manutenção por parte dos operadores e pelo uso abusivo da capacidade da aeronave. O bandeco sempre foi conhecido como um "jipe voador", ou seja, topava "qualquer parada". Sua robustez e eficiência em situações adversas, fizeram com que muitos de seus operadores utilizassem a aeronave de forma insana e abusiva. Daí o alto índice de acidentes fatais. Esta aeronave, bem cuidada e observando-se seus limites operacionais, resiste fielmente ao tempo e atende com maestria aos seus operadores.

Abaixo uma descrição detalhada de 28 acidentes fatais (até 1999) envolvendo o Bandeirante:

1. 27 /02/1975: VASP PP-SBE Bandeirante; Sao Paulo, Brasil: Perdeu um dos motores e tentou regressar a Congonhas. Caiu sobre casas no Campo Belo, matando seus treze ocupantes.
2. 22/01/1976; Transbrasil PP-TBD Bandeirante; Chapecó, Brasil: Pneu do trem de pouso princicipal estourou. Perda de controle no solo, aeronave colidiu com um barranco, matando os dois tripulantes e seis passageiros.
3. 20 /06/1977; TAMU Embraer Bandeirante; Salto, Uruguay: Caiu pouco antes do pouso, matando os dois tripulantes e dois dos seis passageiros.
4. 08 /02/1979; Transportes Aéreos Regionais (TAM) PP-SBB; Baurú, Brasil: Estabilizador horizontal desprendeu-se logo após a decolagem, matando os dois tripulantes e dezesseis passageiros.
5. 24 /02/1981; Votec PT-GLB; Belém, Brasil: Acidentado durante o pouso, matando os dois tripulantes e dez dos doze passageiros.
6. 02 /02/1981; Aerotaca Embraer Bandeirante; Paipa, Colombia: Acidentado após decolagem, matando os dois tripulantes e dezessete dos dezenove passageiros.
7. 07/10/1983; Transportes Aéreos Regionais (TAM) PP-SBH; Araçatuba, Brasil: Colidiu com o terreno na terceira tentativa de pouso sob temporal, matando os dois tripulantes e cinco dos treze passageiros.
8. 18 /04/1984; Votec PT-GJZ e PT-GKL; Imperatriz, Brasil: O GJZ Colidiu com outro Bandeirante da Votec durante aproximação para pouso. O GJZ caiu e matou os dezoito ocupantes. O GKL ainda conseguiu pousar forçado num rio e apenas um passageiro morreu dentre os 18 ocupantes.
9. 28/06/1984; Transportes Aéreos Regionais (TAM) PP-SBC; perto de São Pedro da Aldeia, Brasil: Entrou voando na serra por erro de navegação. Dezoito ocupantes mortos.
10. 06/12/1984; Provincetown-Boston Airlines Embraer Bandeirante; Jacksonville, Flórida: Estabilizador horizontal desprendeu-se logo após a decolagem. Os dois tripulantes e onze passageiros perderam a vida.
11. 23/01/1985; Aires Embraer Bandeirante; perto de Buga, Colombia: Acidentado durante o vôo de cruzeiro, matando os dois tripulantes e dezessete passageiros.
12. 23/06/1985; TABA PT-GJN; Diamantino, Brazil: Após pane num motor, tentou pouso forçado mas colidiu com um caminhão, matando os dois tripulantes e dezessete passageiros.
13. 13/03/1986; Simmons Airlines Embraer Bandeirante; Alpena, MI: Desceu abaixo dos mínimos em aproximação IFR: um tripulante e dois dos sete passageiros morreram.
14. 06/021987; Talair Embraer Bandeirante; Stettin Bay, Papua New Guinea: Caiu no mar durante tempestade, matando os dois tripulantes e treze dos dezesseis passageiros.
15. 01/03/1988; Comair Embraer Bandeirante; Wadeville, South Africa: Passageiro suicida detonou bomba durante o vôo, matando os dois tripulantes e dezesseis passageiros.
16. 14/11/1988; Wasawings Embraer Bandeirante; Seinajoki, Finland: Caiu durante a aproximação. Dois tripulantes e três dos dez passageiros morreram.
17. 11/11/1991; Nordeste, PT-SCU; Recife, Brasil: Perda de motor após decolagem. Bandeirante caiu sobre uma praça, matando os três tripulantes, doze passageiros e duas pessoas no solo.
18. 03/02/1992; Nordeste PT-TBB; Caetité, Brasil: Colidiu com a serra por erro de navegação, matando os dois tripulantes e dez passageiros.
19. 15/04/1992; Talair Embraer Bandeirante; perto de Daulo Pass, Papua New Guinea: Colidiu com o terreno por erro de navegação, matando os dois tripulantes e nove dos treze passageiros.
20. 23/03/1993; Oeste Linhas Aereas PP-SBJ; Tangará da Serra, Brasil: Caiu logo após decolar, matando os dois tripulantes e quatro passageiros.
21. 07/05/1994; Rico Taxi Aéreo; Embraer Bandeirante; São Gabriel, Brasil: Acidentado durante pouso, matando os dois tripulantes e quatro dos quatorze passageiros.
22. 19/07/1994; Alas Chiricanas Embraer Bandeirante; perto de Colon, Panamá: Sabotagem: bomba explodiu durante o vôo, matando os três tripulantes e dezoito passageiros.
23. 24/05/1995; Knight Air Embraer Bandeirante; perto de Leeds, England: Aeronave partiu-se em vôo, devido à desorientação espacial dos tripulantes durante tempestade, matando os doze ocupantes.
24. 14/08/1995; Aires Colombia Embraer Bandeirante; perto de Santander, Colombia: Colidiu com a serra por erro de navegação a 4.420m matando os dois tripulantes e oito passageiros.
25. 01/11/1996; TAPSA Embraer Bandeirante; Tikal, Guatemala: Caiu a oito km da pista, já em aproximação, matando os dois tripulantes e oito passageiros.
26. 09/12/1997; Sowind Air Bandeirante; Little Grand Rapids, Manitoba, Canadá: Caiu a algumas centenas de metros da pista, já em aproximação,sob forte nevasca, matando um dos dois tripulantes e três dos quinze passageiros.
27. 16 /06/1999; Airlink Bandeirante; perto de Goroka, Papual New Guinea: Colidiu com a serra por erro de navegação a 20 km de Goroka, matando os dois tripulantes e quinze passageiros.
28. 24/07/1999; Air Fiji Bandeirante; perto de Suva, Fiji: Colidiu com montanhas por erro de navegação a entre Nadi e Suva, matando os dois tripulantes e quinze passageiros.
(fonte: http://www.jetsite.com.br/ )


Aeronave Vasp - 27/02/1975 - São Paulo / SP

Aeronave Wasawings - 14/11/1988 - Helsinki / Finlândia

Aeronave FAB - 26/12/2002 - Curitiba / PR

Aeronave Manaus Aerotaxi - 07/02/2009 - Rio Manapuru / AM
Assista o vídeo deste intrigante acidente logo abaixo.


Curiosidades sobre acidentes com o Bandeirante:
- Já ocorreram 2 atentados com bombas em Bandeirantes que voavam no exterior.
- Em 1984, 2 Bandeirantes do mesmo operador (VOTEC) colidem durante um pouso.

A história do PT-EDO ...

Numa homenagem muito justa ao Bandeirante que ilustra nosso blog, fizemos uma singela pesquisa e encontramos algumas preciosidades sobre esta bela aeronave.
Nada melhor do que o relato do Cmte. Carlos Edo em uma mensagem enviada ao amigo Paulo( http://www.pabloaerobrasil.net/ ), em dezembro de 2007:

"Nosso Bandeco foi originalmente adquirido da Embraer pela VASP. Número de série 016 em 1974 (Nota do editor: para ser mais exato, produzido em 29/03/1974). Prefixo PP-SBD. Temos a primeira Caderneta de Registros de Vôo!!
Depois passou para TAM voando com esta bandeira até 1995 quando foi comprada por nos. No livro do Cel. Osires Silva (A Decolagem de um Sonho) consta meu nome como Operador de Bandeirante (pag 605, linha 9). Depois eu o transferi, como aporte de capital, para minha empresa EXTREME TAXI AEREO  ( Nota do editor: Conheça  http://www.extremetaxiaereo.com.br/  e http://www.circoaereo.com.br/ ), onde permanece operando até hoje.
Na revista SKYDIVE tem uma foto do Comandante Rolim entregando-me a chave do Bandeco. Foi muito emocionante receber de tão ilustre empresário/aviador uma atenção tão especial e ainda clicado por meu filho. Já voamos com ele mais de 3.000 horas, tendo realizado inúmeras demonstrações junto do Circo Aéreo Onix (temos uma foto liderando a ESQUADRILHA DA FUMAÇA!!!) e depois na Esquadrilha Oi, além de serviços de altissima reputação no Taxi Aéreo, transportando celebridades de diversos segmentos, notadamente da música.
Durante vários anos atendemos quase em exclusividade Os Paralamas do Sucesso. Quanta honra !!
Voaram no Bandeco também Os Racionais MC, O Rappa, Fafá de Belém, a turma do Leandro e Leonardo, o Daniel, o Grupo Raça, Sensação, Sérgio Reis, dentre os quais, hoje as 21 e tantas horas me lembro. Diversas deusas também usaram as asas do PT-EDO: Juliana Paes, Mariana Kupfer, Joanna Prado, Mariana Weickert, 15 candidatas ao Top Model da Elite Models no Paraná (que colírio !!) antecipadamente me desculpando por muita omissão.
Pois é, nosso Bandeco tem uma aura muito especial, que faz muita gente dizer, "poxa, nem parece um Bandeirante!!"
Talvez o mais voado do mundo, com quase 37.000 horas de vôo sem sequer um pneu furado e contando com uma tripulação que literalmente o venera, nosso Bandeco continua firme e forte para atender os "paladares" mais exigentes em termos de custo-beneficio e qualidade de atendimento.
Se depender de nos e do Bom Deus, chegará a duplicar tão significativa marca para uma aeronave desse porte."

Abaixo vemos no meio da foto o PP-SBD nas cores da Vasp ( infelizmente não conseguimos uma foto desta aeronave nas cores da TAM - quem tiver, por favor, envie para o e-mail projetobandeirante@bhz.me para que possamos publicá-la aqui).

Abaixo a foto do simpático Cmte. Carlos Edo.

Em seguida, temos algumas imagens do interior e exterior do PT-EDO.







Além dos serviços de táxi aéreo, o PT-EDO também participa de vôos especiais, como foi o caso quando ele voou com a porta removida para uma tomada de fotos aéreas em formação dos E-jets da Azul.
Veja o incrível relato (com muitas fotos) de Gianfranco Beting (Jetsite) em http://www.jetsite.com.br/2008_v35/AeroMarketing.aspx  . Simplesmente incrível. A velha e a nova geração da Embraer voando juntas...