Vídeo histórico da criação do Bandeirante!

Este vídeo é uma verdadeira relíquia da história da indústria aeronáutica nacional.
Desfrutem deste grande momento de pura nostalgia...  :)

Manoel Carvalho constrói um simulador genérico do Emb-110 Bandeirante.

Pois é pessoal, após a conclusão do protótipo de home-cockpit denominado HC1, concluí a construção do HC2, um similador genérico (por não seguir o layout real dos instrumentos no interior) para ser utilizado operando uma aeronave Embraer Emb-110 Bandeirante. Ele foi montado sobre uma plataforma móvel e comporta 2 tripulantes (um instrutor no jump-seat e um comando), o que é mais apropriado para apresentações públicas.
Com o reaproveitamento de muitos materiais do antecessor HC1, este equipamento foi construído em 15 dias e agora está à disposição da missão Asas de Socorro para a  promoção da aviação missionária, humanitária e de socorro.
Para maiores detalhes, visite o página do projeto:
www.voosimulado.com



Quantos Bandeirantes ainda voam na aviação civil?

Encontrei estes dados comparativos entre os últimos World Airliner Census (de 2011 e 2012) produzidos pelo site Flight Global, onde é mostrado uma interessante distribuição das aeronaves Bandeirante que ainda voam na aviação civil. Estas informações não contam as aeronaves militares, que só na nossa FAB, supera em quantidade as aeronaves civis espalhadas pelo mundo.
O Bandeirante teve uma produção seriada de 500 aeronaves em 16 versões diferentes, cuja fabricação foi encerrada em 1990/91.
Nota-se uma diminuição de 13 aeronaves de um ano para o outro, possivelmente acidentadas, sucateadas ou simplesmente desativadas. A Aeroeletrônica promove pelo mundo afora a modernização do Bandeirante, como vem fazendo para a FAB, ampliando sua vida útil em mais uns 20 anos.

Censo de 2011
Censo de 2012




Bandeirante do 4° ETA mostra suas "partes íntimas"...

Os aviões de transporte C-95 Bandeirante da FAB são “figuras fáceis” na maioria das bases aéreas e organizações da Força Aérea Brasileira espalhadas pelo país. Mas o que não é tão comum assim de se ver é uma dessas aeronaves ligeiramente “pelada”, mostrando detalhes interessantes de seu projeto com a retirada de partes para inspeção e manutenção. É o caso do avião da foto, visto no último sábado, 17 de setembro, durante o evento “Portões Abertos” da Base Aérea de São Paulo, em comemoração aos 70 anos desta organização.




O C-95, do inventário do 4º ETA (Esquadrão de Transporte Aéreo), estava exposto no hangar do Esquadrão de Suprimento e Manutenção da base. Vê-se claramente o pequeno radar meteorológico instalado no nariz da aeronave, os detalhes da instalação de seus motores PT-6 e respectivos acessórios, algumas partes das estruturas das asas e os contornos do perfil aerodinâmico das mesmas, visíveis com a retirada dos bordos de ataque, entre outros detalhes. Clique nas fotos para ampliar.

(Extraído do Poder Aéreo - www.aero.jor.br )





Um pouco mais sobre a modernização do Bandeirante...

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, o Comandante Geral de Operações Aéreas, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Gilberto Antonio Saboya Burnier, o Comandante Geral de Apoio, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Ricardo Machado Vieira, o Diretor do PAMA-AF, Brigadeiro-do-Ar Luiz Carlos Lebeis Pires Filho, e o presidente da AEL, uma das duas empresas contradas para a modernização, Shlomo Erez, participaram do tradicional batismo da aeronave.
A modernização foi possível devido ao trabalho conjunto dos militares do PAMA-AF com a empresa AEL e a Embraer. Em suas palavras, o Diretor do PAMA-AF traduziu o sentimento como “orgulho e felicidade”. “As expectativas são imensas, o trabalho interminável e a vontade de vencer as próximas etapas desse desafio continua sendo a força motriz do nosso entusiasmo e motivação”, afirmou o Brigadeiro Lebeis.
A modernização ocorreu em três fases. Inicialmente, a Empresa AEL substituiu o obsoleto sistema de navegação e comunicação por outro mais completo e moderno com a concepção digital, apresentada nos Multifunction Displays. Na segunda fase a Embraer revitalizou a estrutura da aeronave, proveu melhorias no sistema de refrigeração, além de substituir alguns equipamentos essenciais nos sistemas mecânico e hidráulico. Finalmente, a aeronave recebeu melhorias na forração interna e a nova pintura. Esta modernização associada ao correto gerenciamento do programa garantirão a operação por mais 20 anos na FAB.
A performance da aeronave não foi modificada, isto é, a capacidade de transporte permanece inalterada. Porém, o gerenciamento das informações passa a ser feito de maneira mais lógica e acessível. “O projeto de modernização do Bandeirante surgiu da necessidade de atualizar o equipamento, que data de meados da década de 70. A solução foi revitalizar os equipamentos de navegação e comunicação”, afirmou o Coronel Aviador Luiz Amedeo Iozzi da Silva, Diretor Técnico do PAMA -AF.
“O Glass Cockpit muda ao conceito do C-95, é a tecnologia mais avançada que existe em termos de navegação na aviação de transporte na FAB, e vai permitir uma transição fácil dos pilotos para outras aeronaves que utilizam esse sistema, como o C-130 Hércules, Orion P-3, Amazonas C-105 e Condor C-99”, avaliou o Tenente-Coronel Aviador Paulo César Guerreiro Lima, coordenador do projeto.
Na avaliação do vice-presidente da AEL, Vitor Neves, o maior desafio do projeto foi o desenvolvimento do software operacional. “Este projeto permitiu um grande salto em termos deknow how; poucas empresas têm o conhecimento para integrar sistemas de aeronave”, observou Neves. Cerca de 30 pessoas da AEL trabalham nas dependências do PAMA-AF no projeto de modernização do C-95.
Paralelamente ao trabalho nas aeronaves, os tripulantes dos Esquadrões que voam o C-95 estão sendo capacitados para operar o novo sistema. Os aviadores do 3º ETA e do 5º ETA (Canoas-RS) já passaram pelo curso e os próximos serão os militares do 4º ETA (Guarulhos-SP) e do 2º ETA (Recife-PE).
Atualmente, outras cinco aeronaves estão sendo modernizadas no PAMA-AF. Até 2015, 50 aeronaves, entre os C-95 A/B/C e o P-95B Bandeirante Patrulha, passarão pela modernização.
(Extraído do www.defesanet.com.br)








O Tenente Aviador Douglas Alves foi o piloto da missão com o Bandeirante modernizado e afirmou que a tecnologia do avião facilita o trabalho do piloto e do navegador. O militar ressaltou a utilidade do GPS como um meio secundário do sistema de navegação.

"O GPS auxilia o andamento da missão. Nós inserimos as rotas no GPS (Global Positioning System) e ele faz a projeção digital no circuito de navegação. Ao mesmo tempo, existe uma outra projeção nas telas de CMFD (tela digital no painel do avião). O sistema reduz a possibilidade do Bandeirante passar de um ponto ou demorar a chegar nele, quando acompanhado de outras aeronaves de melhor performance. A qualidade do áudio dos rádios VHF é muito melhor que a da versão anterior da aeronave. Isso é muito importante em uma missão operacional", destaca o Tenente Douglas.




Embraer Bandeirante para o simulador Flight Gear...

Adicionado na "Biblioteca do Bandeirante" um modelo de aeronave Bandeirante para o simulador freeware (de código aberto) Flight Gear. Não é tão realista (lembra mais os modelos do FS98), mas já quebra um galho para quem quer ter o Bandeco no Flight Gear.



Mais uma aeronave Bandeirante de qualidade para o Flight Simulator 2004...

Recentemente descobri esta pérola... Uma aeronave Emb-110 Bandeirante produzida pelo cubano Edgar Guinart e com repinturas nacionais do PT-EDO, da NHL, FAB e Embraer 80´s.
A aeronave possui documentação (que deve ser lida antes de utilizá-la, senão correrás o risco de perder um ou os dois motores no ato da decolagem... como fatalmente ocorreu comigo!), painel 2D,  painel virtual e um excelente modelo de voo (dos melhores que já vi). A companha também um kit para repintura e um Radar Anti-Colisão totalmente funcional (detecta todas as aeronaves AI ao redor).
O arquivo está disponível para download na coluna ao lado denominada "Biblioteca do Bandeirante".
Eis aqui algumas imagens...

Aeronave nas cores default da Embraer dos anos 80.

 Painel Virtual.

Painel 2D principal.

 Imagem do radar que acompanha a aeronave.


Iniciei o processo de construção de um simulador de voo (home cockpit) com materiais reciclados...

Pois é Cmtes, neste link abaixo vocês podem conhecer o projeto (ainda em processo de construção) que, ao contrário do sofisticado simulador do Bandeco do post anterior, tem por característica principal o reaproveitamento de materiais considerados obsoletos e de custo quase zero.
A configuração externa é para homenagear a nossa extinta e saudosa Vasp e, de forma genérica, será utilizado para os modelos Boeing 737-200 e o Embraer EMB-110 Bandeirante (ambas aeronaves de painel analógico e foram utilizadas amplamente pela Vasp).

http://simuladordevoocaseiro.blogspot.com.br/

Cabine do simulador após pintada e adesivada.